24.6 C
Brasil
segunda-feira, setembro 20, 2021

Clima: 1% mais rico do mundo emite o dobro de CO2 que metade mais pobre

Um estudo publicado pela ONG Oxfam nesta segunda-feira, 21, revelou que o 1% mais rico da população mundial emite o dobro de gases causadores do efeito estufa que a metade mais pobre do planeta. O texto, “Confrontando a desigualdade do carbono”, em tradução livre, afirma que “justiça social e climática” é essencial em qualquer pacote de estímulo pós-pandemia de coronavírus.

“Nos últimos 20 a 30 anos, a crise climática se agravou e o limitado orçamento global de carbono foi dilapidado para intensificar o consumo de uma população rica, não para tirar as pessoas da pobreza”, denuncia a Oxfam, que pesquisa e atua contra a desigualdade em 67 países.

Leia esta semana em VEJA: os desafios da retomada das aulas nas escolas brasileiras. E mais: Queiroz vai assumir toda a responsabilidade por ‘rachadinha’VEJA/VEJA

Em um período de 25 anos, de 1990 a 2015, “o 1% mais rico da população (quase 63 milhões de pessoas) foi responsável por 15% das emissões acumuladas, ou seja, o dobro em comparação à metade mais pobre da população mundial”. Aumentando o escopo, os 10% mais ricos da população mundial (630 milhões de pessoas) foram responsáveis por 52% das emissões acumuladas de CO2.

Durante esses anos, as emissões globais de CO2, responsáveis pelo aquecimento global, aumentaram quase 60%. E os grupos que “mais sofrem esta injustiça são os menos responsáveis pela crise climática: os mais pobres e as gerações futuras”, publicou a ONG.

“Está claro que esse modelo de crescimento econômico desigual e centrado no carbono não beneficiou a metade mais pobre da humanidade”, disse Tim Gore, pesquisador da ONG e especialista em política europeia e relações internacionais. “É uma dicotomia falaciosa sugerir que temos que escolher entre o crescimento econômico e o clima”, completou.

O texto faz um apelo para que os governos de todo o mundo coloquem a justiça social e a luta contra a mudança climática no centro dos planos de recuperação econômica para depois da pandemia de Covid-19.

No estudo, o ex-secretário-geral das Nações Unidas Ban Ki-moon afirma que a pandemia “trouxe à luz a necessidade de reconstruir a economia mundial de maneira melhor e colocá-la em um caminho mais justo, mais sustentável e mais resistente”.

“O compromisso coletivo deve ter como prioridade reduzir as emissões de CO2 da faixa mais rica da sociedade, que contamina o mundo de forma desproporcional”, completa.

(Com AFP)

Continua após a publicidade

- Advertisement -

Ultimas Notícias

Saiba como atua um urologista

De acordo com o médico urologista Dr. Marco Antonio Quesada Ribeiro Fortes, o profissional especializado em urologia é o responsável por cuidar...

As doenças que afetam o sistema reprodutor masculino – saiba quais são

De acordo com o médico urologista Dr. Marco Antonio Quesada Ribeiro Fortes, o pênis e o sistema reprodutor masculino são extremamente suscetíveis...

Atente-se a sua saúde: Doenças comuns no sistema reprodutor masculino

Muitos homens, de acordo com o médico urologista Dr. Marco Antonio Quesada Ribeiro Fortes, costumam deixar a saúde de lado, o que...

‘Esse endividamento é monstruoso’, diz Bolsonaro sobre prorrogação do auxílio

O presidente Jair Bolsonaro justificou nesta segunda-feira, 19, a apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada, a impossibilidade do auxílio emergencial ser prolongado em...

Protesto violento marca primeiro ano de revolta social no Chile

Milhares de manifestantes se reuniram no domingo 18 nos entornos da Praça Itália, no centro de Santiago, para comemorar o primeiro aniversário dos grandes...