26.8 C
Brasil
sexta-feira, setembro 17, 2021

Covid-19: os desafios do Brasil para manter as curvas em queda

A pandemia de coronavírus começou a desacelerar no Brasil. Desde sábado, 5, a curva de novos óbitos entrou em declínio oficial: a média móvel registrada teve redução de 18,2% em comparação com a de duas semanas anteriores. Antes disso, os números vinham caindo, mas sempre dentro da margem de 15%, que indica estabilidade.

A curva de casos é considerada estável desde 29 de julho, quando foi registrada a maior média móvel da pandemia no país: 46.393. Nos últimos três dias, houve queda significativa em relação há 14 dias antes: 19,6%, 23,2% e 25% respectivamente, mas ainda é cedo para dizer se foi uma redução pontual, causada por atrasos de notificações no final de semana e feriado, ou se é o início de uma queda consistente. A  taxa de transmissão da doença se mantém dentro do intervalo classificado como estabilidade, de acordo com a Universidade Imperial College de Londres.

Agora, o grande desafio é manter as quedas e desacelerar de fato a transmissão da doença em todo o país. “O número de óbitos pode até não aumentar, mas continua perpetuando a infecção”, diz o infectologista e epidemiologista Bruno Scarpellini.

Para controlar a doença, é preciso manter a taxa de contágio (R) abaixo de 1, isto é, uma pessoa transmite o vírus para menos de outra pessoa. A receita, até a aprovação e aplicação em larga escala de uma vacina, é impedir que o vírus se espalhe. E isso depende do comportamento da população. As regras: manter uma distância física de 1 a 2 metros das outras pessoas, evitar aglomerações, usar máscara constantemente – e da forma correta -, higienizar as mãos com água e sabão ou álcool gel constantemente. “Não é complicado. A manutenção do distanciamento e do uso de máscara já resolve boa parte do problema. Por exemplo, quem decide ir a um restaurante, deve manter a máscara enquanto não estiver comendo ou bebendo.”, afirma Scarpellini.  Da parte dos governos: testagem em massa, diagnóstico e acompanhamento precoce dos infectados, rastreamento de contatos e flexibilização consciente da quarentena.

Vale lembrar que a dimensão continental do país dificulta a adoção de medidas uniformes, já que cada estado e região está em uma fase diferente da pandemia. Por isso, para controlar o vírus é fundamental considerar as regionalidades e implementar ações que estejam de acordo com a característica de cada lugar.

Atualmente, o Brasil tem 4.238.446 casos e 129.522 mortos registrados pela doença. Nesta quinta-feira, 10, a média móvel de novas notificações da doença foi de 28.115,4 e a de novos óbitos de 701,1. A média móvel semanal é calculada a partir da soma do número de casos e mortes nos últimos sete dias, dividida por sete, número de dias do período contabilizado – o que permite uma melhor avaliação ao anular variações diárias no registro e envio de dados pelos órgãos públicos de saúde, problema que ocorre principalmente aos finais de semana.

!function(e,t,s,i){var n=’InfogramEmbeds’,o=e.getElementsByTagName(‘script’),d=o[0],r=/^http:/.test(e.location)?’http:’:’https:’;if(/^/{2}/.test(i)&&(i=r+i),window[n]&&window[n].initialized)window[n].process&&window[n].process();else if(!e.getElementById(s)){var a=e.createElement(‘script’);a.async=1,a.id=s,a.src=i,d.parentNode.insertBefore(a,d)}}(document,0,’infogram-async’,’//e.infogr.am/js/dist/embed-loader-min.js’);

Continua após a publicidade

- Advertisement -

Ultimas Notícias

Saiba como atua um urologista

De acordo com o médico urologista Dr. Marco Antonio Quesada Ribeiro Fortes, o profissional especializado em urologia é o responsável por cuidar...

As doenças que afetam o sistema reprodutor masculino – saiba quais são

De acordo com o médico urologista Dr. Marco Antonio Quesada Ribeiro Fortes, o pênis e o sistema reprodutor masculino são extremamente suscetíveis...

Atente-se a sua saúde: Doenças comuns no sistema reprodutor masculino

Muitos homens, de acordo com o médico urologista Dr. Marco Antonio Quesada Ribeiro Fortes, costumam deixar a saúde de lado, o que...

‘Esse endividamento é monstruoso’, diz Bolsonaro sobre prorrogação do auxílio

O presidente Jair Bolsonaro justificou nesta segunda-feira, 19, a apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada, a impossibilidade do auxílio emergencial ser prolongado em...

Protesto violento marca primeiro ano de revolta social no Chile

Milhares de manifestantes se reuniram no domingo 18 nos entornos da Praça Itália, no centro de Santiago, para comemorar o primeiro aniversário dos grandes...