21.8 C
Brasil
sábado, abril 17, 2021

China amplia controle sobre blogueiros e influenciadores independentes

A partir da próxima semana, a Administração do Ciberespaço da China, órgão regulador da internet no país, exigirá de blogueiros e influenciadores uma autorização especial do governo para publicar sobre vários assuntos. Embora licenças sejam necessárias desde 2017 para tópicos como política e Forças Armadas, a fiscalização não tem sido rigorosa. As novas regras estendem essa exigência para saúde, economia, educação e questões judiciais. Teme-se que apenas a mídia estatal e os órgãos de propaganda oficiais ganhem a permissão.

A medida está em sintonia com regulamentações cada vez mais restritivas do presidente chinês, Xi Jinping. O líder fez da “soberania digital” um conceito central de seu governo. A nova exigência pode impedir os usuários de postar conteúdo original. O CEO do Weibo, Wang Gaofei, disse em um post que comentários sobre notícias divulgadas pela mídia oficial eram permitidos, mas os autores não podiam “divulgar notícias” sozinhos.

A revisão da política tem como objetivo “padronizar e orientar as contas públicas e as plataformas de serviços de informação a serem mais autoconscientes em manter a direção correta da opinião pública”, segundo um comunicado da Administração do Ciberespaço.

No fim de janeiro, uma semana após divulgar as novas regras, o governo realizou uma conferência nacional sobre a importância de “fortalecer a ordem na publicação online”. O titular da agência, Zhuang Rongwen, disse que o órgão deve “permitir que supervisores e gestores sejam agressivos”.

Em 4 de fevereiro, a agência anunciou uma campanha de um mês com o objetivo de fazer uma varredura em mecanismos de busca, plataformas de mídia social e navegadores. Essas campanhas, nas quais as empresas tomam medidas para atender às demandas do governo, não são novas. Mas a fiscalização não era tão rigorosa. Além das regras rígidas, parece estar se impondo uma política de repressão.

A pandemia do novo coronavírus parece ter estimulado as regras de controle mais rígidas. Nos primeiros dias do surto na China, grande parte da cobertura foi conduzida por contas online e meios de comunicação digitais. Em comunicado, a Administração do Ciberespaço explicou que adotou as novas regras porque, durante a pandemia, “a ‘auto-mídia’ criou boatos maliciosos e desconsiderou a privacidade dos outros, afetando gravemente a estabilidade e a harmonia da sociedade e prejudicando os direitos e interesses legais de terceiros”.

Continua após a publicidade

Ultimas Notícias

Deise Zuqui mostra alguns penteados dos anos 90 que voltaram para a moda

Deise Zuqui é uma grande especialista de moda e, portanto, está sempre por dentro das novas tendências. E, como a moda é...

Atirador mata 8 pessoas em centro de operações da FedEx nos EUA

Um atirador matou oito pessoas e feriu várias outras em um centro de operações da empresa de entregas FedEx em Indianápolis, nos Estados Unidos,...

Ex-policial abre mão de depor em julgamento por morte de George Floyd

Derek Chauvin, ex-policial da cidade norte-americana de Mineápolis, abriu mão nesta quinta-feira, 15, do direito de depor ao júri sobre sua participação na prisão...

Entidades internacionais criticam Bolsonaro por resposta à Covid-19

O presidente Jair Bolsonaro segue sendo criticado mundo afora devido à forma como o país está lidando com a pandemia do novo coronavírus. Nesta...

Em vídeo à CNBB, Papa Francisco pede união em momento crítico

Em um vídeo de 7 minutos enviado à 58ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), o Papa Francisco pregou “unidade...