31.7 C
Brasil
segunda-feira, abril 12, 2021

Com a pandemia, cerca de 6.000 venezuelanos voltaram do Brasil

Cerca de 111.000 venezuelanos retornaram ao seu país natal do Brasil e da Colômbia devido à pandemia de Covid-19, revelou nesta quarta-feira 9 a Organização dos Estados Americanos (OEA). Dependentes da renda informal, muitos dos refugiados foram despejados, sem ter um lugar para viver e passar o isolamento.

“Até o momento, foram registrados aproximadamente 105.000 retornos da Colômbia e 6.000 do Brasil, segundo números oficiais”, afirma o relatório “Situação dos venezuelanos que retornaram e buscam voltar ao país no contexto da Covid-19”, divulgado em Washington.

O documento analisa a crise migratória venezuelana, com mais de 5,1 milhões de pessoas que abandonaram o país desde 2015, e como a pandemia de Covid-19 aumentou as dificuldades enfrentadas nos locais de refúgio como consequências das medidas para evitar a propagação do coronavírus Sars-CoV-2.

“A informalidade econômica é uma das principais características da população migrante e refugiada na região, com uma taxa mais elevada de quem participa e vive na economia informal do que na economia formal”, indica o estudo.

A OEA explicou que, como resultado da informalidade econômica, as fontes de renda dessas pessoas “foram substancialmente afetadas, fazendo com que milhares de famílias de migrantes e refugiados venezuelanos fossem despejadas, deixando-as sem um lugar para viver e onde passar o confinamento”.

Além disso, muitos “geralmente não têm acesso aos sistemas de saúde” devido à “condição de irregularidade”. Sendo assim, milhares de venezuelanos tiveram que retornar ao país natal, e foram assistidos pelos países da região.

Continua após a publicidade

Na Colômbia, o documento reporta que em março “foi criado um corredor humanitário para permitir o regresso dos venezuelanos, através do qual passaram 27.000 pessoas”, enquanto em abril foram implementadas mais três etapas.

Fechamento da fronteira

No entanto, a OEA advertiu que “o fechamento intermitente e arbitrário” da fronteira pelo governo do presidente venezuelano, Nicolas Maduro, “agravou a situação de vulnerabilidade das pessoas que esperam para regressar ao país, configurando a sistematização das violações dos seus direitos humanos”.

O governo venezuelano impôs um rigoroso confinamento no país e bloqueou suas fronteiras para evitar o contágio de seus cidadãos por pessoas vindas do exterior. Em outros países que adotaram a mesma política, porém, os nacionais são liberados para retornar à sua nação, desde que cumpram quarentena obrigatória.

Outra questão é a situação daqueles que permanecem em aeroportos e países diferentes devido à pandemia. “O panorama está piorando a cada dia para os venezuelanos que estão encalhados, cuja situação é de total incerteza, sem pronunciamentos favoráveis e sem esperança de poder voltar”, detalha o relatório.

Neste contexto, a OEA pediu à comunidade internacional que “ajude a tornar visível a situação em que os venezuelanos encalhados se encontram”, e que se una para explorar “diferentes vias humanitárias para a proteção dos venezuelanos que tentam exercer o seu direito de regresso ao país”.

Na edição da semana: a importância das reformas para a saúde da economia. E mais: os segredos da advogada que conviveu com QueirozVEJA/VEJA

(Com EFE)

Continua após a publicidade

Ultimas Notícias

Tiroteio em frente a hospital de Paris deixa ao menos um morto e um ferido

Em frente ao hospital privado Henry Dunant, em Paris, na França, um homem foi morto e uma agente de segurança ficou gravemente ferida nesta...

Morte de homem negro pela polícia desperta novos protestos em Minneapolis

O assassinato de um jovem durante uma blitz policial em Minneapolis, nos Estados Unidos, provocou indignação em todo o país e despertou novos protestos...

Irã classifica apagão em usina nuclear de Natanz como “ato terrorista”

A usina atômica de Natanz, no Irã, sofreu um blecaute na manhã deste domingo. As autoridades iranianas classificaram o incidente como um ato de...

Igreja Católica da Austrália paga indenização milionária a vítima de abuso

Um homem de 58 anos cuja identidade não foi revelada vai receber uma indenização de 1,5 milhão de dólares australianos (cerca de 6,5 milhões...

Peru vai às urnas com 18 candidatos à Presidência – e nenhum é favorito

Nas eleições peruanas de 2011, o romancista peruano Mario Vargas Llosa, ganhador do Prêmio Nobel, disse que a população precisaria escolher entre a “Aids...