31.7 C
Brasil
segunda-feira, abril 12, 2021

Harry e Meghan: os duques da América

No dia 9 de março, quando o mundo acordava para a gravidade da pandemia, Harry e Meghan, os duques de Sussex, se despediram de outro universo, este bem mais glamouroso: uma missa na Abadia de Westminster foi o derradeiro compromisso como senior royals, como é conhecido o alto escalão da família real britânica. Por opção própria, o casal abdicou das mordomias e dos rendimentos da realeza, pegou o filhinho, Archie, e se mudou com muita, muita bagagem para uma mansão em Los Angeles. Não foi uma decisão fácil e nem saiu do jeito que eles queriam. A ideia era continuar aparecendo nas reuniões de família, livrando-se dos compromissos chatos e liberando tempo para tocar a vida perto da turma de Meghan (que não passou pela garganta dos nobres parentes) e longe do radar dos tabloides. O Palácio de Buckingham foi radical — se é para sair, adeus. Assim foi feito. Em novembro, quando o Reino Unido inteiro põe uma papoula vermelha na lapela e lembra os mortos em grandes guerras, restou aos Sussex, desconvidados para as cerimônias oficiais, prestar sua homenagem em um cemitério californiano. Ainda tiveram o dissabor de saber que Frogmore Cottage, a casa que reformaram, foi repassada para Beatrice, filha de Andrew e princesa secundária na hierarquia.

Harry e Meghan seguem a quarentena, aparecem pouco e de máscara e estão conseguindo manter Archie, de 1 ano e meio, longe dos curiosos. Mas isso não quer dizer que não estejam pondo as elegantes manguinhas de fora. Ambos deram pitaco na eleição americana, sendo que a americana Meghan (que uniu a cidadania original à britânica) convocou abertamente a população a votar — na polarizada eleição dos Estados Unidos, “vá votar” se traduzia por “vote em Joe Biden”. O casal fechou em setembro um acordo de 100 milhões de dólares com a Netflix para produzir documentários, filmes, programas e conteúdos infantis para a plataforma. Brandindo uma assinatura que raramente se vê na imprensa, Meghan, duquesa de Sussex, publicou um artigo no New York TimesAs Perdas que Compartilhamos — no qual revelou que esteve grávida do segundo filho, mas sofreu um aborto espontâneo. Assim, aristocraticamente, Harry e Meghan vão tocando a vidinha de celebridades enrustidas nos Estados Unidos.

Publicado em VEJA de 30 de dezembro de 2020, edição nº 2719

Ultimas Notícias

Tiroteio em frente a hospital de Paris deixa ao menos um morto e um ferido

Em frente ao hospital privado Henry Dunant, em Paris, na França, um homem foi morto e uma agente de segurança ficou gravemente ferida nesta...

Morte de homem negro pela polícia desperta novos protestos em Minneapolis

O assassinato de um jovem durante uma blitz policial em Minneapolis, nos Estados Unidos, provocou indignação em todo o país e despertou novos protestos...

Irã classifica apagão em usina nuclear de Natanz como “ato terrorista”

A usina atômica de Natanz, no Irã, sofreu um blecaute na manhã deste domingo. As autoridades iranianas classificaram o incidente como um ato de...

Igreja Católica da Austrália paga indenização milionária a vítima de abuso

Um homem de 58 anos cuja identidade não foi revelada vai receber uma indenização de 1,5 milhão de dólares australianos (cerca de 6,5 milhões...

Peru vai às urnas com 18 candidatos à Presidência – e nenhum é favorito

Nas eleições peruanas de 2011, o romancista peruano Mario Vargas Llosa, ganhador do Prêmio Nobel, disse que a população precisaria escolher entre a “Aids...