29.6 C
Brasil
segunda-feira, abril 12, 2021

Índia diz a compradores estrangeiros que prioridade é vacinação local

Maior produtora de vacinas do mundo, a Índia afirmou a compradores que irá priorizar a aplicação de vacinas contra o coronavírus dentro do país, à medida que luta contra uma segunda onda crescente de casos. A decisão significa que os países mais pobres, que confiaram na iniciativa COVAX apoiada pelas Nações Unidas, provavelmente verão milhões de doses adiadas.

“Nas próximas semanas e meses haverá um pico de demanda e as pessoas estão se preparando para isso”, disse o ministro das Relações Exteriores da Índia, Subrahmanyam Jaishankar, na sexta-feira, 26, no Enclave Econômico da Índia, fórum promovido pela Times Network.

Segundo o ministro, parceiros internacionais já foram informados que as taxas de Covid-19 estão subindo em território indiano e que “temos que focar em nosso próprio país”.

Os comentários de Jaishankar vieram um dia depois que a Gavi, a Aliança das Vacinas, disse em um comunicado que o Serum Institute of India (SII), maior fabricante mundial de vacinas, iria atrasar as entregas da vacina AstraZeneca para responder à demandas domésticas.

A vacina AstraZeneca produzida pelo SII é fundamental para os países em desenvolvimento, pois representa o núcleo das vacinas destinadas à COVAX uma plataforma internacional projetada para entregar dois bilhões de vacinas aos países mais pobres sem nenhum custo. A COVAX esperava de fábricas indianas 40 milhões de doses em março e mais 50 milhões de doses em abril.

É o segundo revés para o consórcio nesta semana, já que problemas de produção em um fornecedor sul-coreano significaram que os volumes de entrega tiveram que ser reduzidos.

Continua após a publicidade

Em nota, a Aliança Gavi afirmou que a instalação de compartilhamento de vacinas COVAX notificou todas as economias afetadas sobre possíveis atrasos nas exportações. 

A notícia gerou preocupações entre economias que podem ser afetadas. O diretor dos Centros Africanos para o Controle de Doenças, um órgão de combate a doenças de todo o continente, afirmou na quinta-feira: “Sem acesso rápido às vacinas, continuaremos enfrentando desafios, vidas serão perdidas e nossa economia continuará sofrendo”.

Nesta sexta-feira, a Índia registrou 59.118 novas infecções, elevando o total de casos para 11,85 milhões, o terceiro maior índice do mundo, depois de Estados Unidos e Brasil. 

Todos com mais de 45 anos na Índia são elegíveis para vacinação a partir de 1º de abril e o governo está considerando incluir mais pessoas depois que as novas infecções quase quadruplicaram neste mês.

“O governo já está planejando ampliar o guarda-chuva dos beneficiários da vacina Covid-19 em um futuro próximo para cobrir outras parcelas de nossa população”, disse o ministro da Saúde, Harsh Vardhan, em uma cúpula virtual organizada pelo jornal Economic Times.

A Índia já administrou 55 milhões de doses de vacina. No entanto, o número é proporcionalmente baixo em relação a sua população de 1,35 bilhão, segundo o portal Our World in Data.d

Continua após a publicidade

Ultimas Notícias

Tiroteio em frente a hospital de Paris deixa ao menos um morto e um ferido

Em frente ao hospital privado Henry Dunant, em Paris, na França, um homem foi morto e uma agente de segurança ficou gravemente ferida nesta...

Morte de homem negro pela polícia desperta novos protestos em Minneapolis

O assassinato de um jovem durante uma blitz policial em Minneapolis, nos Estados Unidos, provocou indignação em todo o país e despertou novos protestos...

Irã classifica apagão em usina nuclear de Natanz como “ato terrorista”

A usina atômica de Natanz, no Irã, sofreu um blecaute na manhã deste domingo. As autoridades iranianas classificaram o incidente como um ato de...

Igreja Católica da Austrália paga indenização milionária a vítima de abuso

Um homem de 58 anos cuja identidade não foi revelada vai receber uma indenização de 1,5 milhão de dólares australianos (cerca de 6,5 milhões...

Peru vai às urnas com 18 candidatos à Presidência – e nenhum é favorito

Nas eleições peruanas de 2011, o romancista peruano Mario Vargas Llosa, ganhador do Prêmio Nobel, disse que a população precisaria escolher entre a “Aids...