29.6 C
Brasil
segunda-feira, abril 12, 2021

Julgamento de ex-policial que matou George Floyd começa nos EUA

O julgamento de Derek Chauvin, um ex-policial de Minneapolis acusado de matar George Floyd no ano passado, começou nesta segunda-feira, 29. Ele é acusado de homicídio culposo, homicídio de segundo grau (sem premeditação) e homicídio de terceiro grau (por comportamento irresponsável).

A morte de George Floyd, um homem negro de 46 anos, gerou indignação generalizada em maio passado, depois que um vídeo que capturou a abordagem do agente de segurança viralizou na internet, mostrando como Chauvin ajoelhou-se sobre o pescoço do suspeito durante mais de oito minutos.

Desarmado, o ex-segurança detido sob a suspeita de ter utilizado uma nota de 20 dólares falsa repetiu “eu não consigo respirar” diversas vezes até perder a consciência.

O incidente gerou protestos em todo o país contra a violência policial e o racismo, visto que o agora ex-policial é branco. Segundo o jornal americano The New York Times, foi o maior movimento popular pelos direitos civis desde os anos 1960.

Quase um ano depois, o caso será litigado no tribunal criminal perante um júri de 12 membros – dois homens brancos, quatro mulheres brancas, três homens negros, uma mulher negra e duas mulheres que se identificam como pardas. A composição foi observada de perto pelo país e é mais diversificada do que a cidade de Minneapolis, que é 20% negra.

Existia a preocupação de que não fosse possível formar um júri imparcial para um caso que provocou inquietação em grande escala e repercutiu em todo o mundo. Possíveis jurados tiveram que responder um questionário de 14 páginas que perguntava suas opiniões sobre uma ampla gama de tópicos, incluindo os movimentos Black Lives Matter e Blue Lives Matter (o primeiro pelos direitos de negros, o segundo por direitos dos policiais) e se o sistema de justiça criminal é racialmente discriminatório.

A seleção do júri foi definida para durar três semanas, e os jurados que já haviam sido escolhidos tiveram que ser chamados e questionados novamente depois que a cidade anunciou um acordo de 27 milhões de dólares com a família de Floyd.

Chauvin responde em liberdade após pagamento de 1 milhão de dólares de fiançaEle pode receber uma pena de até 40 anos de prisão se for condenado pela acusação mais grave.

Seus advogados argumentaram que ele obedeceu o treinamento e que a causa principal da morte de Floyd, que o legista qualificou como um homicídio, foi uma overdose de droga.

Continua após a publicidade

Ultimas Notícias

Tiroteio em frente a hospital de Paris deixa ao menos um morto e um ferido

Em frente ao hospital privado Henry Dunant, em Paris, na França, um homem foi morto e uma agente de segurança ficou gravemente ferida nesta...

Morte de homem negro pela polícia desperta novos protestos em Minneapolis

O assassinato de um jovem durante uma blitz policial em Minneapolis, nos Estados Unidos, provocou indignação em todo o país e despertou novos protestos...

Irã classifica apagão em usina nuclear de Natanz como “ato terrorista”

A usina atômica de Natanz, no Irã, sofreu um blecaute na manhã deste domingo. As autoridades iranianas classificaram o incidente como um ato de...

Igreja Católica da Austrália paga indenização milionária a vítima de abuso

Um homem de 58 anos cuja identidade não foi revelada vai receber uma indenização de 1,5 milhão de dólares australianos (cerca de 6,5 milhões...

Peru vai às urnas com 18 candidatos à Presidência – e nenhum é favorito

Nas eleições peruanas de 2011, o romancista peruano Mario Vargas Llosa, ganhador do Prêmio Nobel, disse que a população precisaria escolher entre a “Aids...