31.7 C
Brasil
segunda-feira, abril 12, 2021

Quem é a candidata independente que rouba votos de Donald Trump

Disputando a corrida presidencial dos Estados Unidos pelo Partido Libertário, a professora de psicologia Joe Jorgensen, de 63 anos, já entrou na disputa sem chances de vencer. A candidata independente, porém, está roubando votos decisivos dos dois adversários principais e pode atrapalhar a campanha de reeleição de Donald Trump.

Apoiadora de um sistema de governo mínimo e liberdade máxima, Jorgensen acumula até o momento cerca de 2% dos votos em todo o território nacional e não tem qualquer chance de reverter sua posição. Mas, nos estados onde a disputa é mais acirrada e a diferença de votos entre Trump e o democrata Joe Biden está abaixo de 1 ponto percentual, como Wisconsin, Michigan e Geórgia, a libertária pode ter um papel relevantes.

No Wisconsin, Jorgensen recebeu 38.414 votos, 1,2% do total. A diferença entre Biden e Trump nesse estado, no entanto, foi de apenas 20.808 votos. Pouco menos de 14.000 pessoas poderiam ter virado o jogo para o presidente.

A tendência é a mesma na Geórgia, onde a libertária até o momento recebeu 61.380 votos. No estado, a diferença de votos entre os dois principais canditados é de 917 votos, com Biden na frente do placar e mais de 98% das urnas apuradas.

Segundo uma pesquisa de outubro do Pew Research Center, 54% dos apoiadores de Jorgensen disseram que poderiam se inclinar a votar na reeleição de Trump. Sua campanha, portanto, é vista por analistas políticos como uma pedra no sapato do atual presidente.

Continua após a publicidade

Docente na Universidade Clemson, na Carolina do Sul, Jorgensen diz que tanto Trump quanto Biden são iguais, e é critica à política externa e econômica dos democratas e republicanos. Extremamente pró-mercado, a professora tece críticas ao monopólio eleitoral dos dois partidos. Sobre o aborto, tema sensível na sociedade americana, a libertária diz em seu site “deixe o governo fora disso, sem subsídios, sem regulações”.

Durante sua campanha, propôs a criação de um sistema de saúde baseado no mercado livre, sem a intervenção do Estado ou das seguradoras. Ela também prometeu eliminar o imposto de renda, acabar com a guerra contra as drogas, abolir a agência do governo de combate às drogas, perdoar os culpados de crimes não-violentos relacionados às drogas e encorajar dependentes químicos a buscar ajuda e reabilitação.

Jorgensen está longe de bater o recorde no número de votos recebidos em uma eleição pelo seu partido, que continua a ser mantido pelo ex-governador do Novo México Gary Johnson. Ele recebeu 4,5 milhões dos votos em 2016. Atualmente, a professora está com 1.684.714 de votos.

O Partido Libertário é a terceira força política do país, mas ainda se mantém muito atrás dos pesos pesados Democrata e Republicano. Defensor das liberdades individuais, do livre comércio e do Estado mínimo, é a única legenda de fora do sistema bipartidário que aparece nas cédulas dos 50 estados.

Outro obscuro candidato à Presidencia é Howie Hawkins, do Partido Verde. Hawkins sequer aparece nas contagens de votos dos principais meios de comunicação dos Estados Unidos.

Continua após a publicidade

Ultimas Notícias

Tiroteio em frente a hospital de Paris deixa ao menos um morto e um ferido

Em frente ao hospital privado Henry Dunant, em Paris, na França, um homem foi morto e uma agente de segurança ficou gravemente ferida nesta...

Morte de homem negro pela polícia desperta novos protestos em Minneapolis

O assassinato de um jovem durante uma blitz policial em Minneapolis, nos Estados Unidos, provocou indignação em todo o país e despertou novos protestos...

Irã classifica apagão em usina nuclear de Natanz como “ato terrorista”

A usina atômica de Natanz, no Irã, sofreu um blecaute na manhã deste domingo. As autoridades iranianas classificaram o incidente como um ato de...

Igreja Católica da Austrália paga indenização milionária a vítima de abuso

Um homem de 58 anos cuja identidade não foi revelada vai receber uma indenização de 1,5 milhão de dólares australianos (cerca de 6,5 milhões...

Peru vai às urnas com 18 candidatos à Presidência – e nenhum é favorito

Nas eleições peruanas de 2011, o romancista peruano Mario Vargas Llosa, ganhador do Prêmio Nobel, disse que a população precisaria escolher entre a “Aids...