38.4 C
Brasil
domingo, setembro 19, 2021

Os coelhos da cartola de Trump

Como Donald Trump ainda está vivo é um dos mais interessantes enigmas da política atual. Inclusive pelo que tem de comparável com o Brasil. Por vivo entenda-se que, segundo as pesquisas, continua a ter acima de 40% dos votos na eleição de novembro. Ou 8 pontos, em média, abaixo de Joe Biden. Por seus conhecidos defeitos, martelados e amplificados pela cobertura hostil da maioria dos veículos de imprensa, pela compulsão por tuitar e se autossabotar, pelas 180 000 vidas ceifadas pelo vírus e pela economia implodida, já deveria estar politicamente humilhado, morto e enterrado. Mas Trump tem sobrevivido a tudo isso, fora um livro lançado por semana, do tipo que, na imaginação exaltada de jornalistas e comentaristas, vai acabar com ele. O último foi de sua sobrinha, Mary Trump — pegou pior para ela do que para o tio. O próximo será de Michael Cohen, seu ex-advogado e faz-tudo, inclusive esconder coelhinhas no armário. Faltam adjetivos na lista que preparou para o ex-chefe: “Trapaceiro, mentiroso, golpista, abusador, racista, predador, vigarista”.

Com uma base fiel, Trump não só continua no jogo como tem uma aprovação superior, em matéria de condução da economia, à de Bush filho e de Obama, no mesmo período de seus mandatos: 47%. É superior também ao índice de aprovação, de forma geral, a Trump como presidente. Uma boa parte dos eleitores talvez entenda que ele não tem culpa pela derrocada acoplada a um fenômeno único como o novo coronavírus. Mais ainda, consideram-no, com base na performance pré-vírus, o mais capacitado a ressuscitar a economia. É o ponto mais forte de Trump.

“Com uma base fiel, o presidente tem aprovação superior à de Bush filho e de Obama no mesmo período”

Como isso vai influenciar a eleição, dentro de apenas dez semanas, sem tempo, portanto, para que os indícios de recuperação se consolidem? A resposta pode presentear Trump com a reeleição ou acabar de vez com ele. Ainda existem 10% de eleitores indecisos, muito provavelmente insatisfeitos com os desvios comportamentais de Trump e, ao mesmo tempo, hesitantes em escolher Biden, tão fragilizado aos quase 78 anos que o simples fato de conseguir fazer, sem derrapadas, um discurso lido no teleprompter já é comemorado.

As respectivas narrativas foram bem apresentadas nas convenções. Na óptica democrata, o país está num buraco provocado por um presidente desagregador, a democracia corre perigo e nobres e pacíficos manifestantes precisam do apoio de todos para enfrentar o racismo. Na republicana, o buraco e a ameaça existencial decorrem da permissividade das autoridades locais democratas que vão “abrir as fronteiras e fechar as prisões” e de vândalos anarquistas que comandam as ruas. Sem grandes novidades. Nos números de magia, isso se chama “apresentação”: o objeto banal, como um baralho ou um coelho, é mostrado ao público. Depois, vem a “virada”: a coisa some. Em campanhas eleitorais, corresponde à luta de foice que vai acontecer nas próximas semanas, com fatos e depoimentos comprometedores trazidos à luz para deixar a plateia estonteada. No terceiro ato, o “prestígio”, o coelho e a carta reaparecem. O público faz “ahhh”. E o resultado da eleição é conhecido. O prestidigitador Trump vai tirar mais um coelho da cartola?

Publicado em VEJA de 2 de setembro de 2020, edição nº 2702

Continua após a publicidade

- Advertisement -

Ultimas Notícias

Saiba como atua um urologista

De acordo com o médico urologista Dr. Marco Antonio Quesada Ribeiro Fortes, o profissional especializado em urologia é o responsável por cuidar...

As doenças que afetam o sistema reprodutor masculino – saiba quais são

De acordo com o médico urologista Dr. Marco Antonio Quesada Ribeiro Fortes, o pênis e o sistema reprodutor masculino são extremamente suscetíveis...

Atente-se a sua saúde: Doenças comuns no sistema reprodutor masculino

Muitos homens, de acordo com o médico urologista Dr. Marco Antonio Quesada Ribeiro Fortes, costumam deixar a saúde de lado, o que...

‘Esse endividamento é monstruoso’, diz Bolsonaro sobre prorrogação do auxílio

O presidente Jair Bolsonaro justificou nesta segunda-feira, 19, a apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada, a impossibilidade do auxílio emergencial ser prolongado em...

Protesto violento marca primeiro ano de revolta social no Chile

Milhares de manifestantes se reuniram no domingo 18 nos entornos da Praça Itália, no centro de Santiago, para comemorar o primeiro aniversário dos grandes...