38.4 C
Brasil
domingo, setembro 19, 2021

Parlamento da UE se opõe a acordo UE-Mercosul por política ambiental

O Parlamento Europeu aprovou na noite desta terça-feira 6 um texto que afirma que o acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia (UE) não será ratificado até que o Brasil mostre comprometimento com sua política ambiental.

O texto ressalta que o tratado contém um “capítulo vinculante sobre desenvolvimento sustentável que deve ser completamente implantado”, incluindo o respeito às normas do Acordo de Paris sobre o clima.  O documento afirma que o órgão legislativo do bloco enfatiza que, nas atuais circustâncias, “o acordo UE-Mercosul não pode ser ratificado como está”.

O trecho foi incluído em uma emenda no relatório elaborado pelo eurodeputado sueco Jörgen Warborn sobre a implementação da política comercial comum, de 2018. O texto foi aprovado nesta terça com 345 votos a favor, 295 contra e 56 abstenções.

A emenda foi elaborada pela francesa Marie-Pierre Vedrenne, do partido de centro Movimento Democrático. “Totalmente mobilizados para o comércio justo e sustentável”, disse a política no Twitter após a aprovação.

A proposta inicial incluía ainda uma menção à política ambiental de Jair Bolsonaro e à preocupação do Parlamento em relação à ela. O trecho, porém, foi retirado pelos parlamentares para aprovação do documento.

Foram necessários vinte anos para que UE e Mercosul chegassem a um acordo político anunciado em junho de 2019, que ainda precisa ser ratificado pelos parlamentos dos 27 países membros do bloco europeu e dos quatro do sul-americano, além do próprio Parlamento Europeu.

Diversos Estados-Membros, porém, têm demonstrado preocupação com a política ambiental brasileira e com a falta de ação para brecar os incêndios no Pantanal e Amazônia. Holanda, Áustria e França já viraram as costas ao endosso do acordo, caso o governo de Jair Bolsonaro não mude sua abordagem.

 

Oposição

Os Parlamentos austríaco e holandês já rejeitaram o acordo em sua forma atual. Bélgica, Irlanda e Luxemburgo estão relutantes. Já a França segue como a principal voz da oposição ao acordo.

Em setembro, o governo de Emmanuel Macron recebeu um relatório de um comitê de especialistas alertando para os riscos ambientais que a entrada em vigor desse pacto acarretaria. Paris apresentou então três “exigências” para a continuidade das negociações, entre elas o respeito ao Acordo de Paris sobre as mudanças climáticas.

Leia nesta edição: os planos do presidente para o Supremo. E mais: as profundas transformações provocadas no cotidiano pela pandemiaVEJA/VEJA

Recentemente, a Alemanha também se juntou aos Estados-Membros da UE que já expressaram dúvidas sobre a implementação do pacto. No mês passado, a chanceler Angela Merkel colocou o acerto em xeque. “Temos sérias dúvidas de que o acordo possa ser aplicado conforme planejado, quando vemos a situação”, afirmou seu porta-voz, referindo-se à Amazônia.

O vice-presidente da Comissão Europeia, Valdis Dombrovskis, disse ainda que bloco quer garantias de que a cláusula de desenvolvimento sustentável será respeitada. Para o embaixador da UE no Brasil, Ignacio Ybáñez, o governo brasileiro precisa gerar “confiança” nesta área para quebrar o impasse.

Continua após a publicidade

- Advertisement -

Ultimas Notícias

Saiba como atua um urologista

De acordo com o médico urologista Dr. Marco Antonio Quesada Ribeiro Fortes, o profissional especializado em urologia é o responsável por cuidar...

As doenças que afetam o sistema reprodutor masculino – saiba quais são

De acordo com o médico urologista Dr. Marco Antonio Quesada Ribeiro Fortes, o pênis e o sistema reprodutor masculino são extremamente suscetíveis...

Atente-se a sua saúde: Doenças comuns no sistema reprodutor masculino

Muitos homens, de acordo com o médico urologista Dr. Marco Antonio Quesada Ribeiro Fortes, costumam deixar a saúde de lado, o que...

‘Esse endividamento é monstruoso’, diz Bolsonaro sobre prorrogação do auxílio

O presidente Jair Bolsonaro justificou nesta segunda-feira, 19, a apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada, a impossibilidade do auxílio emergencial ser prolongado em...

Protesto violento marca primeiro ano de revolta social no Chile

Milhares de manifestantes se reuniram no domingo 18 nos entornos da Praça Itália, no centro de Santiago, para comemorar o primeiro aniversário dos grandes...