28.2 C
Brasil
domingo, setembro 19, 2021

Recuperação da economia brasileira será mais lenta que dos emergentes, aponta FMI

O Fundo Monetário Internacional (FMI) revisou para cima a previsão do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro de 2020 para queda de 5,8%, ante estimativa de recuo de 9,1% em junho, em meio à pandemia do novo coronavírus. Apesar do cenário menos pessimista após o arrefecimento das medidas de isolamento social e primeiros sinais de recuperação, o país ainda está muito atrás do esperado das outras economias em desenvolvimento. Segundo a autoridade financeira, o PIB dos emergentes neste ano fechará com retração de 3,3%. Os dados fazem parte do Panorama Econômico Mundial, divulgado nesta terça-feira, 13. A retomada do Brasil também deve ser mais lenta que a de seus pares. Para o FMI, a economia nacional deve avançar 2,8% no próximo ano, enquanto a média para os países semelhantes é de 6%, puxada principalmente pela China e Índia, com estimativa de crescimento de 8,2% e 8,8%, respectivamente. Para o cenário global, a entidade espera que o PIB encerre este ano com retração de 4,4%, e avance 5,2% em 2021.

“Para muitos mercados emergentes e economias em desenvolvimento, excluindo a China, as projeções continuam precárias. Isso é reflexo de uma combinação de fatores: a continuidade da disseminação da pandemia e serviços de saúde sobrecarregados; os impactos em diversos setores, como o turismo; e a grande dependência de financiamento internacional”, informou o FMI. O PIB per capita brasileiro, que leva em consideração o crescimento da economia com a riqueza da população, também está atrás da média dos emergentes. Enquanto o FMI aponta retração de 6,4% neste ano, e alta de 2,2% em 2021, a estimativa das economias semelhantes é queda de 4,7% e avanço de 4,8%, respectivamente.

A taxa de desemprego também fica aquém da média dos vizinhos da América do Sul. O FMI estima que a falta de trabalho atinja 13,4% neste ano. É o terceiro pior cenário da região, perdendo apenas para Venezuela (54,4%) e Colômbia (17,3%). Para o próximo ano, a estimativa é que a taxa de desemprego impacte em 14,1% dos brasileiros. Também à frente apenas da Venezuela (57,3%) e Colômbia (15,8%). “Incluindo quem está em programas de redução de horas de trabalho e empregos de meio-período, a proporção de trabalhadores subempregados em algumas economias avançadas é significativamente maior do que a fração de desempregados. Os dados do mercado de trabalho são menos compreensíveis em mercados com economias emergentes. No entanto com base em pesquisas e estimativas oficiais, a taxa de desemprego em muitas economias emergentes deve aumentar significativamente neste ano”, informou o relatório.

- Advertisement -

Ultimas Notícias

Saiba como atua um urologista

De acordo com o médico urologista Dr. Marco Antonio Quesada Ribeiro Fortes, o profissional especializado em urologia é o responsável por cuidar...

As doenças que afetam o sistema reprodutor masculino – saiba quais são

De acordo com o médico urologista Dr. Marco Antonio Quesada Ribeiro Fortes, o pênis e o sistema reprodutor masculino são extremamente suscetíveis...

Atente-se a sua saúde: Doenças comuns no sistema reprodutor masculino

Muitos homens, de acordo com o médico urologista Dr. Marco Antonio Quesada Ribeiro Fortes, costumam deixar a saúde de lado, o que...

‘Esse endividamento é monstruoso’, diz Bolsonaro sobre prorrogação do auxílio

O presidente Jair Bolsonaro justificou nesta segunda-feira, 19, a apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada, a impossibilidade do auxílio emergencial ser prolongado em...

Protesto violento marca primeiro ano de revolta social no Chile

Milhares de manifestantes se reuniram no domingo 18 nos entornos da Praça Itália, no centro de Santiago, para comemorar o primeiro aniversário dos grandes...