26.8 C
Brasil
sexta-feira, setembro 17, 2021

Rússia revela vídeo de teste com a mais potente bomba nuclear já criada

Rússia liberou na semana passada imagens até então sigilosas do teste feito em 1961 com a Tsar-Bomba, a mais potente bomba termonuclear já criada no mundo. O artefato militar foi lançada na costa da Ilha Severny, perto do Oceano Ártico, e explodiu 4.000 metros acima do solo.

A bomba de hidrogênio RDS 220 foi detonada com energia equivalente a cerca de 57 milhões de toneladas de TNT. Ela foi desenvolvida entre os anos de 1950 e 1960, durante a corrida armamentista entre os Estados Unidos e União Soviética (URSS).

Agora, a Rússia liberou imagens inéditas do teste. A filmagem tem 40 minutos e mostra todo o processo de desenvolvimento da bomba, de sua construção à detonação. Nas imagens é possível ver o clarão provocado pela detonação, além de um cogumelo gigante formado pelo aquecimento do ar em seu entorno.

Devido ao seu potencial de destruição, até hoje o explosivo possui as maiores dimensões já vistas em uma criação do tipo – oito metros de altura, dois metros de largura e 27 toneladas. O transporte do explosivo foi feito por um avião especialmente modificado para acomodar a bomba gigante.

Quando chegou ao local designado, o artefato foi lançado acoplado a um paraquedas, para que não chegasse ao solo antes do previsto. A explosão gerou um raio de destruição de 35 quilômetros.

Diferente de uma bomba atômica convencional, a bomba de hidrogênio tem um processo de detonação desenvolvido para criar uma explosão muito mais forte. Em bombas atômicas, como as que foram detonadas em Nagasaki e Hiroshima em 1945, o poder explosivo resulta da liberação repentina de energia após a separação dos núcleos de um elemento químico pesado, como o plutônio.

O processo de detonação das bombas de hidrogênio ou termonucleares inclui várias etapas. Tudo começa com a detonação de uma bomba atômica, que gera temperaturas de milhões de graus, criando energia suficiente para forçar a aproximação de seus dois núcleos leves, combinando-os num segundo estágio conhecido como fusão nuclear. Dessa forma, a potência destrutiva de uma bomba termonuclear pode ser de centenas a milhares de vezes maior que a de uma bomba atômica.

Continua após a publicidade

- Advertisement -

Ultimas Notícias

Saiba como atua um urologista

De acordo com o médico urologista Dr. Marco Antonio Quesada Ribeiro Fortes, o profissional especializado em urologia é o responsável por cuidar...

As doenças que afetam o sistema reprodutor masculino – saiba quais são

De acordo com o médico urologista Dr. Marco Antonio Quesada Ribeiro Fortes, o pênis e o sistema reprodutor masculino são extremamente suscetíveis...

Atente-se a sua saúde: Doenças comuns no sistema reprodutor masculino

Muitos homens, de acordo com o médico urologista Dr. Marco Antonio Quesada Ribeiro Fortes, costumam deixar a saúde de lado, o que...

‘Esse endividamento é monstruoso’, diz Bolsonaro sobre prorrogação do auxílio

O presidente Jair Bolsonaro justificou nesta segunda-feira, 19, a apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada, a impossibilidade do auxílio emergencial ser prolongado em...

Protesto violento marca primeiro ano de revolta social no Chile

Milhares de manifestantes se reuniram no domingo 18 nos entornos da Praça Itália, no centro de Santiago, para comemorar o primeiro aniversário dos grandes...