26.8 C
Brasil
sexta-feira, setembro 17, 2021

Com auxílio emergencial próximo do fim, especialistas avaliam alternativas para o combate à fome no Brasil

O governo federal não pode eternizar o programa de auxílio emergencial sob risco de estourar o teto de gastos. Para especialistas ouvidos pela Jovem Pan, a ajuda é necessária em um primeiro instante para se evitar a fome. O economista Valter Martins de Almeida avalia que dificilmente parte da população deixará a linha de extrema pobreza, se não tiver acesso à educação, saúde e infraestrutura, por isto na sua visão é preciso criar circunstâncias para que este panorama seja modificado. “As contas públicas do país não permitem que se continue dando, embora necessário, esse auxílio emergencial. É importante que saíamos disso dando emprego. E para dar emprego a economia tem que crescer e, por outro lado, as pessoas tem que ter acesso as vagas de emprego. É importante dizer que a educação tem um papel fundamental para sair dessa pobreza.”

A fome é um problema mundial. Um programa da Organização das Nações Unidas (ONU) recebeu o prêmio Nobel da Paz por uma iniciativa de combate a este mal que aflige diversas nações. A ação, que leva alimentos a mais de 100 milhões de pessoas, é realizada em 88 países. O representante da WFP no Brasil, Daniel Balaban, indica que há no mundo 690 milhões de pessoas em estado de insegurança alimentar e nutricional; cidadãos que não sabem se amanhã terão comida no prato. Ele afirma que 10,3 milhões de brasileiros estão nesta situação, e acrescenta que o auxílio emergencial  está funcionando, porém quando acabar serão necessárias medidas a fim de suprir o abalo causado pela pandemia do coronavírus.

“Durante o período da renda emergencial, logicamente, amenizam esse sofrimento. Mas assim que ela não existir mais, está programado para o final do ano, teremos uma situação muito complexa no Brasil. A situação é complexa, ela é difícil para o Brasil, a maioria dos países terá crescimento negativo. E o mais importante é que estejamos preparados para isso”, avalia. Para Balaban o remédio será a união entre os governos  municipais, estaduais e federal, além de uma participação efetiva da iniciativa privada. Pelo menos 20 mil pessoas morrem de fome a cada 24 horas no planeta e um trilhão de dólares por ano de alimentos são desperdiçados.

*Com informações do repórter Daniel Lian

- Advertisement -

Ultimas Notícias

Saiba como atua um urologista

De acordo com o médico urologista Dr. Marco Antonio Quesada Ribeiro Fortes, o profissional especializado em urologia é o responsável por cuidar...

As doenças que afetam o sistema reprodutor masculino – saiba quais são

De acordo com o médico urologista Dr. Marco Antonio Quesada Ribeiro Fortes, o pênis e o sistema reprodutor masculino são extremamente suscetíveis...

Atente-se a sua saúde: Doenças comuns no sistema reprodutor masculino

Muitos homens, de acordo com o médico urologista Dr. Marco Antonio Quesada Ribeiro Fortes, costumam deixar a saúde de lado, o que...

‘Esse endividamento é monstruoso’, diz Bolsonaro sobre prorrogação do auxílio

O presidente Jair Bolsonaro justificou nesta segunda-feira, 19, a apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada, a impossibilidade do auxílio emergencial ser prolongado em...

Protesto violento marca primeiro ano de revolta social no Chile

Milhares de manifestantes se reuniram no domingo 18 nos entornos da Praça Itália, no centro de Santiago, para comemorar o primeiro aniversário dos grandes...