24.6 C
Brasil
segunda-feira, setembro 20, 2021

Guedes descarta prorrogação do auxílio emergencial para 2021

O ministro da Economia, Paulo Guedes negou que o auxílio emergencial e o estado de calamidade serão estendido para 2021. Em conversa com jornalistas nesta quarta-feira, 7, o ministro afirmou que não há articulação para a prorrogação das ações adotadas pelo governo federal para mitigar os impactos do novo coronavírus na economia. A informação foi confirmada pela assessoria do ministério. Segundo o chefe da equipe econômica, as medidas serão mantidas até dezembro, conforme havia sido anunciado oficialmente pelo Planalto. “O estado de calamidade pública vai até o fim de dezembro. E no fim de dezembro acabou tudo isso. Ponto. Não tem prorrogação, não tem nada disso”, afirmou Guedes.

Em uma postagem no Twitter, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), compartilhou uma notícia que informa o anúncio de Guedes e escreveu que esta é a mesma posição adotada pela Câmara dos Deputados. O auxílio emergencial foi instituído em abril para o fortalecimento de renda de trabalhadores informais em meio à pandemia da Covid-19. O projeto previa o pagamento de parcelas de R$ 600 e R$ 1,2 mil por três meses, mas foi prorrogado em junho para mais duas parcelas com os mesmos valores. Em agosto, o governo anunciou uma nova extensão do benefício até o fim do ano, mas com valores reduzidos pela metade. Até o fim de setembro, a União pagou R$ 213,8 bilhões do benefício para 67,2 milhões de brasileiros.

A criação do Renda Cidadã é a principal aposta do governo Bolsonaro para a área social no próximo ano. Anunciado com um valor mais alto e com maior abrangência do que o Bolsa Família, o projeto foi idealizado para estrear em janeiro, com o término do auxílio emergencial. A proposta é que o programa com a digital da atual gestão pague R$ 300 por pessoa, o mesmo valor do benefício dado aos informais atingidos pela crise do novo coronavírus, e acima dos R$ 190 pagos pelo projeto criado no governo petista. A medida é prevista para atingir 8 milhões de pessoas a mais do que os aproximadamente 14,3 milhões de beneficiados do Bolsa Família.

O financiamento do sistema é o principal entrave das discussões. Na semana passada, o governo recebeu uma enxurrada de críticas após anunciar que o Renda Cidadã seria patrocinado com recursos destinados ao pagamento de precatórios e ao Fundeb. A medida virou munição para a oposição e influenciou na disparada do dólar em meio à desconfiança do rompimento de teto de gastos. A repercussão fez o governo recuar e Guedes chegou a afirmar que o novo programa não seria sustentado por um “puxadinho”. Nesta segunda-feira, 5, o senador Márcio Bittar (MDB-AC), relator da PEC que inclui a criação do Renda Cidadã, afirmou que a nova versão do texto deveria ser apresentada na quarta, 6. O anunciou, porém, foi adiado pra a próxima semana diante da falta de consenso entre a equipe econômica e os parlamentares sobre a origem do dinheiro.

- Advertisement -

Ultimas Notícias

Saiba como atua um urologista

De acordo com o médico urologista Dr. Marco Antonio Quesada Ribeiro Fortes, o profissional especializado em urologia é o responsável por cuidar...

As doenças que afetam o sistema reprodutor masculino – saiba quais são

De acordo com o médico urologista Dr. Marco Antonio Quesada Ribeiro Fortes, o pênis e o sistema reprodutor masculino são extremamente suscetíveis...

Atente-se a sua saúde: Doenças comuns no sistema reprodutor masculino

Muitos homens, de acordo com o médico urologista Dr. Marco Antonio Quesada Ribeiro Fortes, costumam deixar a saúde de lado, o que...

‘Esse endividamento é monstruoso’, diz Bolsonaro sobre prorrogação do auxílio

O presidente Jair Bolsonaro justificou nesta segunda-feira, 19, a apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada, a impossibilidade do auxílio emergencial ser prolongado em...

Protesto violento marca primeiro ano de revolta social no Chile

Milhares de manifestantes se reuniram no domingo 18 nos entornos da Praça Itália, no centro de Santiago, para comemorar o primeiro aniversário dos grandes...