27.4 C
Brasil
domingo, abril 18, 2021

De Greta à OMS: as especulações sobre quem vai levar o Nobel da Paz

Apesar da lista dos indicados ser guardada por 50 anos, as especulações sobre quem será laureado com o prêmio Nobel de Paz na sexta-feira, 9, giram em torno da ativista sueca Greta Thunberg, a primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Arden, instituições como a Organização Mundial da Saúde (OMS) ou as que defendem a liberdade de imprensa. Até mesmo o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, foi indicado para concorrer ao prêmio.

A única coisa que se sabe sobre os candidatos é que, ao todo, são 211 indivíduos e 107 organizações concorrendo, segundo o Instituto Nobel.

A OMS entrou na lista de cotados por conta da resposta à Covid-19. Em sites de aposta, a organização está na frente de nomes como o da ativista ambiental Greta Thunberg. Se laureado, o órgão seria a 12° instituição vinculada à Organização das Nações Unidas (ONU) a ganhar o prêmio.

No entanto, a pandemia só foi declarada no dia 11 de março, e as candidaturas já haviam se encerrado em 21 de janeiro. Outros nomes relacionados ao combate ao coronavírus também são especulados, como a de Arden, mas a questão do prazo implica na nomeação.

As ONGs Repórteres Sem Fronteiras (RSF) e a americana Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) também são mencionada como possíveis candidatas ao prêmio.  “Acredito que o prêmio pode ir para uma organização que proteja jornalistas, ou para jornalistas em campo”, disse o diretor do Instituto de Pesquisas para a Paz de Oslo (Prio), Henrik Urdal.

Trump também foi indicado, mas a candidatura veio fora do prazo. As expectativas para o americano, no entanto, são baixas. “Donald Trump não fez nada para merecer o prêmio”, afirmou Urdal.

Outros nomes que circulam em Oslo são a ONG Transparência Internacional, a chanceler alemã, Angela Merkel, a afegã Fawzia Koofi, o Programa Mundial de Alimentos (PMA), ou o secretário-geral da ONU António Guterres.

Entre as candidaturas conhecidas, ou presumidas, reveladas por seus “padrinhos”, incluem a população de Hong Kong, a Otan, o cacique brasileiro Raoni Metuktire, o trio Julian Assange-Edward Snowden-Chelsea Manning e o ex-primeiro-ministro grego Alexis Tsipras e seu colega macedônio Zoran Zaev.

(Com AFP)

Continua após a publicidade

Ultimas Notícias

Deise Zuqui mostra alguns penteados dos anos 90 que voltaram para a moda

Deise Zuqui é uma grande especialista de moda e, portanto, está sempre por dentro das novas tendências. E, como a moda é...

Atirador mata 8 pessoas em centro de operações da FedEx nos EUA

Um atirador matou oito pessoas e feriu várias outras em um centro de operações da empresa de entregas FedEx em Indianápolis, nos Estados Unidos,...

Ex-policial abre mão de depor em julgamento por morte de George Floyd

Derek Chauvin, ex-policial da cidade norte-americana de Mineápolis, abriu mão nesta quinta-feira, 15, do direito de depor ao júri sobre sua participação na prisão...

Entidades internacionais criticam Bolsonaro por resposta à Covid-19

O presidente Jair Bolsonaro segue sendo criticado mundo afora devido à forma como o país está lidando com a pandemia do novo coronavírus. Nesta...

Em vídeo à CNBB, Papa Francisco pede união em momento crítico

Em um vídeo de 7 minutos enviado à 58ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), o Papa Francisco pregou “unidade...